Banner Principal - Jornal de Vinhos
Português English Castellano


Informação | A Semana Crítica

A IMAGEM DO VINHO EM REVISTA E AS TENDÊNCIAS

António Modesto Nunes comenta a imagem dos média ligados aos vinhos.

Por António  Modesto Nunes

António Modesto Nunes é amador (aquele que gosta) de vinhos e profissional de design de comunicação visual. Trabalha no seu próprio atelier e é professor universitário de design gráfico.

.__________________________________________________________________________________________

Um inquérito recente veio revelar que a imagem, a cor e o preço são os factores que mais condicionam a opção de compra do vinho no Reino Unido. O estudo não aponta preferências mas o facto da imagem ser, por si só, tão determinante deve constituir uma preocupação séria para quem produz, comercializa e exporta vinho.

Ao encontro desta preocupação veio também, muito a propósito, o último número (44) da revista Paixão pelo Vinho. Num artigo intitulado "A Imagem do Vinho", Maria Helena Duarte tenta sensibilizar os seus leitores para esse factor determinante que é a comunicação visual do vinho.

Pena que o artigo não tivesse sido mais profundo, mais esclarecedor e mais rigoroso. Afirmações como "a Grafismos com Alma quer captar a alma do vinho, para que num olhar, ele seja único entre tantos" elucidam muito pouco. Desconfiamos destas ideias de natureza emocional: quase sempre menosprezam a vertente técnica do processo.

Já a passagem sobre a importância do programa num projecto de imagem do vinho, por exemplo, merecem o nosso elogio. Mas é na referência às "tendências" que o artigo se torna menos rigoroso. Diz-se: "Fazendo uma pesquisa pelo mundo, ao nível da imagem, verifica-se que as tendências atuais passam pela utilização de ilustrações, tipografias diversas, ambientes retro, cortantes mais ousados, altos relevos e texturas (...)".
 
Nada que não tivesse já sido feito em rótulos portugueses de Vinho do Porto nos anos 20, 30 e 40. A mudança acontece hoje, essencialmente, pelo lado da retórica e da semântica da comunicação gráfica.

A ideia de tendência – importada do mundo da moda – torna-se uma fragilidade em design. É contrária à sua natureza projectual. Um bom projecto de imagem de vinho não deve ir atrás de tendências mas antes direccionar o apelo criativo para a procura de soluções, inovadores ou conservadoras, que mais se adequem ao propósito do programa.

O artigo termina referindo a necessidade de uma estratégia global para a comunicação do vinho. Estratégia que não deve passar apenas pelo rótulo. MHD dá aqui uma boa ajuda na contextualização do problema.

Por tudo o que se disse, e embora contendo falhas evidentes – repete o mesmo texto em duas páginas, não legenda nem inclui créditos autorais nos exemplos que mostra –, o artigo é um contributo pertinente e merece uma leitura.


Nota: Qualquer publicação que tenha como propósito divulgar o vinho não pode deixar de lado a sua comunicação. Estranhamos que as outras duas revistas (Revista de Vinhos e Wine) o não façam regularmente. Para lá dos concursos que promovem, as referências ao design de imagem do vinho não têm sido, infelizmente, presença assídua em nenhuma delas.


 

Imagem associada


JORNAL DE VINHOS 2008 v. 2 POWERED BY VBWORKS.NET