Banner Principal - Jornal de Vinhos
Português English Castellano


Informação | A Semana Crítica

AURORA BRASIL!

Em época de salvaguarda, leia-se proteção do vinho nacional,via aumento de impostos sobre os importados, mania que estes governantes tem de tentar, ao trocar os nomes, mascarar o que é ruim. Eu resolvi apresentar os vinhos nacionais que gosto.

Por: Peter WOLFFENBÜTTEL

É, a partir de hoje, nosso colaborador regular, dando-nos perspectivas do que melhor se faz no Brasil e no resto da América do Sul.

____________________________________________________________________________________________

A região das uvas é Bento Gonçalves na serra do Rio Grande do Sul, Estado localizado no extremo sul do Brasil e nos paralelos de Santiago (Chile) e Mendonza, Argentina, Cidade do Cabo, África do Sul e Perth, Austrália, portanto na linha de bons vinhedos.

Bento Gonçalves fica a nordeste do mapa do Rio Grande do Sul. Região serrana que alcança 800 metros ou mais. Terra adotiva de imigrantes que vieram do Veneto, norte da Itália. E com eles as videiras.

Esta região serrana tem clima instável no final da maturação das uvas, principalmente em relação a quantidade de sol, pois temos verões bem chuvosos.

Desde sempre foi terra de excelentes espumantes e bons vinhos brancos.

A uva deste vinho é a clássica Chardonnay, tida por muitos como a rainha dos vinhos brancos. Nativa da Borgonha, França, a Chardonnay tem alto poder de adaptação com qualidade. Está na base de 90% dos espumantes do mundo e 100%, por certo, do Champagne.

 

O VINHO

 

O produtor é/era a Cooperativa Aurora, desde sempre uma incentivadora do vinho brasileiro, desde os tempos difíceis, nos anos 70 e 80. Infelizmente por questões que não cabem aqui debater quase quebrou.

Felizmente, tal qual a mítica Fênix ressurgiu das cinzas e hoje está capitaneando grandes vinhos e projetos como este agora comentado. Feliz por ver tal situação.

Este Chardonnay com uvas do local, passou por barricas de carvalho francês.

O vinho é excepcional. Uma acidez marcante, apesar de passar pela madeira o que o faz um grande vinho, pois geralmente ao passar pela madeira o Chardonnay fica um pouco mais pesado, este não. A cor amarelo ouro característica dos Chardonnay barricados. No nariz, abacaxi, pera e maçã verde. Na boca acidez firme e refrescante. Final de gole um pouco rápido mas muito agradável.

ESTÃO DE PARABÉNS OS PRODUTORES DESTE VINHO. Fiquem neste caminho. Esta é a maneira correta de enfrentar os importados. Qualidade e preço. Este vinho derrubou muitos chilenos e argentinos do mesmo preço.

  - -

Peter WOLFFENBÜTTEL, 51 anos, advogado, é brasileiro e aos 20 anos de idade começou o namoro com os vinhos: «Primeiro os brasileiros, depois vieram os argentinos e chilenos, por fim com a globalização e a facilidade os europeus em especial os portugueses. Sempre tenho que vinho bom é aquele que dá prazer, claro que este horizonte de prazer pode ser aumentado com o estudo, degustações e comparações. E foi o que fiz. Por último senti a necessidade de divulgar minhas ideias sobre o vinho e, principalmente, desmistificar o mundo do vinho para que mais pessoas possam usufruí-lo. Nasceu, então, o blog alemdovinho».

Imagem associada


JORNAL DE VINHOS 2008 v. 2 POWERED BY VBWORKS.NET