Banner Principal - Jornal de Vinhos
Português English Castellano


Informação |

«DUORUM O. LEUCURA» JOAO PORTUGAL RAMOS NO DOURO

Os Vinhos “O. Leucura” são produzidos na Região Demarcada do Douro, com uvas provenientes de vinhas velhas onde predominam as castas Touriga Nacional e Touriga Franca.

2014-01-05

_________________

O vinho obtido com uvas das vinhas com a altitude média de  200 mts, onde a Duorum identificou, na sua Quinta de Castelo Melhor, o  primeiro ninho da ave Oenanthe Leucura ou Chasco Preto,  representa a qualidade e o perfil de vinhos provenientes de uvas muito maduras e concentradas.

A data precoce da sua vindima e selecção de uvas na vinha e à entrada da Adega, permite obter o equilíbrio desejado para um vinho do Douro. Pretende-se uma harmonia entre a frescura restante e a maturação natural.

Já o vinho resultante das uvas das vinhas com altitude média de 400 mts, onde habitualmente, na Quinta de Castelo Melhor, o Chasco Preto é visto, saltitando de pedra em pedra,  têm a frescura natural necessária, sendo habitual serem vindimadas 2 a 3 semanas, mais tarde, para se obter a maturação indispensável ao seu equilíbrio.

Em ambos os casos, “o trabalho do homem”, na definição das datas de vindima e selecção de uvas,  permite  reencontrar nestes novos Vinhos, o estilo e o perfil DUORUM: A natural maturação duriense, em harmonia com frescura e acidez,  necessária ao equilíbrio de aromas e sabores da região do Douro..

Tratando-se de dois Vinhos Irmãos, não são gémeos. Ao apreciar em conjunto  encontram-se  as diferenças características da sua proveniência.



«DUORUM O. LEUCURA COTA 400 -  DOC Douro Reserva Tinto  2008»

Castas
Vinhas Velhas com predominância de Touriga Nacional e Touriga Franca.

Vindima
Manual em caixas de 20 Kg

Vinificação
As uvas provenientes das vinhas à cota média de 400 metros, a maioria das quais muito velhas, são submetidas a uma triagem/escolha à chegada à adega, sendo as seleccionadas posteriormente desengaçadas.

Segue-se a maceração pré-fermentativa a baixa temperatura com pisa robotizada em lagares de inox. São de seguida conduzidas para cubas de inox com temperatura controlada onde terminam a fermentação alcoólica. Durante esta, procedem-se aos habituais trabalhos de remontagem e “delestage” que visam a extracção rigorosa e selectiva, restringida aos constituintes desejados. A vinificação termina com a maceração pós-fermentativa.

Estágio
Em barricas de 225 e 300 litros de carvalho francês durante um período de cerca de 24 meses, de acordo com cada lote e casta. Utilização de 70% de barricas de carvalho novo e 30% de carvalho de segundo e terceiro ano.

Álcool 14% vol.
Acidez total 5,7 g/l de ácido tartárico
Açúcares redutores < 2 g/l

Notas de Prova

Cor vermelha profunda e densa. Aroma intenso, fino e elegante, de grande complexidade, onde se destacam os aromas de frutos maduros frescos, os aromas florais, como a violeta, e aromas como o iodo, e resinosos como a esteva e madeiras exóticas.

Sobressaem também os aromas provenientes do sua “elevage em barrica”, como a especiarias, e os aromas da sua evolução na garrafa. Este conjunto confere-lhe uma grande complexidade e intensidade aromática.
Muito elegante, com taninos sedosos e maduros, muito bem envolvidos no seu corpo e volume, possui uma acidez presente e equilibrada que lhe confere uma sensação de frescura, característica dos vinhos de cotas mais elevadas e fácil de se perceber.

É um vinho evidente, com um final muito persistente, de grande complexidade e elegância, que lhe permite prever uma longa longevidade.
 


«DUORUM O. LEUCURA COTA 200  - DOC Douro Reserva Tinto 2008
»
  

Castas
“Field Blend” de Vinhas Velhas com predominância de Touriga Nacional e Touriga Franca.

Tipo de Solo
Xisto

Vindima
Manual em caixas de 20 Kg

Vinificação
As uvas provenientes das vinhas com uma cota média de 200 metros, a maioria das quais muito velhas, são submetidas a uma triagem/escolha  à chegada à adega, sendo as seleccionadas posteriormente desengaçadas. Segue-se a maceração pré-fermentativa a baixa temperatura com pisa robotizada em lagares de inox.

São de seguida conduzidas para cubas de inox com temperatura controlada onde terminam a fermentação alcoólica. Durante esta, procedem-se aos habituais trabalhos de remontagem e “delestage” que visam a extracção rigorosa e selectiva, restringida aos constituintes desejados. A vinificação termina com a maceração pós-fermentativa longa.

Estágio
Em barricas de 225 e 300 litros de carvalho francês durante um período de cerca de 24 meses, de acordo com cada lote e casta. Utilização de 70% de barricas de carvalho novo e 30% de carvalho de segundo e terceiro ano.

Álcool 14% vol.
Acidez total 5,6 g/l de ácido tartárico
Açúcares redutores < 2 g/l

Notas de Prova


Cor vermelha muito profunda e densa. Aroma intenso e complexo, dominado pelos frutos pretos maduros, como amora e o “cassis”, pelos aromas florais, como a violeta e pelos aromas provenientes da sua “elevage” em barrica. Notam-se alguns aromas característicos da evolução na garrafa, que contribuem para a sua grande complexidade.
É um vinho poderoso, denso, e com muita estrutura. Possui uma acidez equilibrada, taninos firmes e muito maduros, bem envolvidos no seu corpo e volume. O seu equilíbrio encontra-se num painel de sensações, onde o peso, concentração a riqueza e pujança se tornam decisivas. Estas características, em conjunto com a grande intensidade do seu aroma retronasal, conferem-lhe um final de grande persistência, que permite prever uma longa evolução.
 

Imagem associada


JORNAL DE VINHOS 2008 v. 2 POWERED BY VBWORKS.NET