“Ocean to table”, ou do oceano para a mesa, é o lema do novo Guelra, restaurante que acaba de abrir no número 35 da Rua de Belém, em Lisboa. De essência portuguesa, o Guelra é um espaço de cozinha de autor, criativa, mediterrânica e contemporânea, que serve um menu diferenciador exclusivamente de peixe e marisco. Aqui, a matéria prima vem do mar, e à mesa chegam os produtos mais frescos, mas o ingrediente secreto dizem ser o espírito de equipa, a dedicação, paixão e trabalho árduo que está na criação e confeção de cada prato. Da cozinha comandada pelo chef Manuel Barreto, que tem a seu lado Diogo Machado, chefe de sala e responsável pela carta de vinhos, - que em conjunto trabalharam afincadamente para criar os melhores pairings para uma experiência que é uma verdadeira descoberta -, chegam ao balcão, ou à mesa, criações arrojadas, que combinam técnicas e sabores globais, mas sempre com produto português de grande qualidade.

A ideia já vinha a ser ‘cozinhada’ por Sérgio Frade, proprietário do Guelra que, juntamente com seu irmão, Pedro Frade, e Alessandra Haiat (diretores de operações) tem levado a bom porto o seu outro projeto no mundo da restauração, o restaurante O Frade, não muito longe dali, no início da Calçada da Ajuda, que conta com um outro espaço no Mercado Time Out. Agora é a vez de se lançarem em alto mar e abrirem novas portas à cidade, em Belém, onde a excelente localização permitiu partir para esta aventura.

Ao entrar no Guelra, a decoração remete imediatamente para o universo marítimo. As cores azul e branco predominam, e o balcão de sete lugares, que convida logo a sentar, lembra também a mística dos barcos de cruzeiro. Mas aqui o amor é outro. É pelo mar, e por tudo o que dele vem e que é aqui transformado em diversas propostas que convidam a mergulhar numa carta de petiscos, mas não só, porque há também opções de principais, que ocupam lugar na sala do primeiro piso.

Mas a experiência que pode começar ao balcão pode também seguir para fora, para a cosmopolita e acolhedora esplanada de 38 lugares que, sem dúvida, tem um ambiente especial. E se se diz que Portugal é um “cantinho à beira-mar plantado”, é também pelo grande número de dias de sol, mesmo de inverno, em que podemos desfrutar do ar livre, por isso este espaço exterior está preparado para ser um convite irresistível durante todo o ano.

No piso de cima, com 32 lugares, a sala nos mesmo tons da entrada, cria um ambiente sofisticado, mas descontraído. As ondas que envolvem o espaço, a luz que entra pelas janelas de dia, a iluminação à noite, e os motivos marinhos no teto proporcionam uma atmosfera leve que faz lembrar o mar calmo, porque aqui a agitação fica na cozinha.

Estão assim apresentados os três espaços do Guelra, mas antes de subirmos ao primeiro andar, é tempo de provar um Guelra Sour, ou outro dos cocktails e vinhos disponíveis a copo – incluindo vinhos de talha e da Borgonha de produção própria – enquanto se espreita o trabalho dos cozinheiros do outro lado do balcão.

A forte relação do país com o mar fez com que fosse elemento forte da nossa cultura, e a gastronomia não é exceção. O marisco português goza de fama mundial, muito devido às frias águas do atlântico, que tornam os frutos do mar mais saborosos e apetecíveis. E o peixe da nossa costa é também amado por portugueses e por muitos que nos visitam ao longo de todo o ano.

Apresentada de forma divertida, simulando o papel de jornal que noutros tempos servia de embrulho ao peixe nos mercados, a carta do Guelra começa por sugerir as entradas, entra as quais se destacam a Tostada de Camarão (tortilhas crocantes, romesco e ponzu) (5€/uni) e o Bacalhau3 (brandade, sames e línguas) (7€/uni), mostrando que a criatividade é um dos ingredientes principais.

Da Cavala alimada com coentros, funcho e picadinho à Algarvia (12€) à Moreia frita e maionese de kimchi (12€) – um dos imperdíveis -, a carta de partilha tem propostas para todos os gostos. O Maguro sando (atum rabilho, sriracha e coleslaw) (18€), os Bikinis (muxama de atum, tapenade, romesco, queijo e sriracha) (12,50€), as Puntinillas (choco, tinha te choco e lima) (8€) e os Takoyakis (polvo, sriracha e katsuobushi) (8€/4 uni) são sérios candidatos a best-sellers. Mas o melhor é sempre voltar para tirar a prova (dos novos) e experimentar outras sugestões, já que para petiscar não faltam ideias.

Diariamente, o Guelra propõe uma nova sugestão – “O que vem à rede é peixe” (17,50€) - de prato principal, e desafia os clientes a descobrir o que veio à rede. Peixe é com certeza. As sugestões “Pela Guelra” (23€) e “Do Oceano para a Mesa” (29€) completam a carta, e são definidas regularmente pelo que de melhor o mar traz até à cozinha do chef. Ao falar de mar, falamos de água, e as sobremesas prometem isso mesmo, fazer crescer água na boca. Churros com toffee do mar (4,50€), Tarte de queijo do Guelra (6€), Creme de arroz doce (6€) e uma Pérola do oceano (8€) são os “pecados” inaugurais.

Passando do prato para o copo, destacam-se, para começar, os cocktails Guelra Sour (10€) ou “Bica dos Frades” (10€). Mas há muito mais por onde escolher, todos cuidadosamente elaborados para combinar na perfeição com a proposta gastronómica, e o balcão do Guelra convida a isso, petiscos e cocktails. Não faltam também os mocktails e as cervejas (Estrella Damm, Inedita Damm e Malquerida à pressão). No mundo dos vinhos, a escolha não podia deixar de ir para os de produção própria, vinhos de talha do nosso Alentejo, resultado de um processo 100% natural, que após uma longa fermentação de dois a três meses, estagiam seis meses noutras talhas de barro, e mais três anos em garrafa. Mas também de produção própria, os irmãos Frade sugerem os seus vinhos da Borgonha, feitos com as variedades que mais definem a região, Chardonnay no branco e Pinot Noir no vinho tinto, castas conhecidas pela sua elegância e complexidade. Sempre com a certeza de harmonizações que realçam os sabores do Mediterrâneo.

A trazer os melhores peixes e mariscos do oceano para a mesa desde o dia 7 de setembro, o Guelra convida a uma viagem gastronómica sofisticada e focada essencialmente no sabor, na qual os ingredientes mais frescos, fazem o par perfeito com a gastronomia contemporânea. O convite é para embarcar nesta experiência, com a promessa de uma viagem que vai criar memórias e proporcionar momentos especiais.