Começou por ser um projeto experimental, provocado pela ousadia de Celso Pereira e Jorge Alves, a força motriz do projeto Quanta Terra, mas rapidamente se confirmou o potencial de criar um vinho 100% feito à base da casta Pinot Noir. A inspiração chegou não apenas do surpreendente terroir do Planalto de Alijó, mas também de uma atenta auscultação ao mercado que procurava um novo perfil de vinhos dentro da gama da marca, que saísse do classicismo e encontrasse uma personalidade mais moderna, expressando a identidade do Planalto de Alijó.

Sem preconceitos, os enólogos da Quanta Terra assumem que este é um vinho que procura conquistar a exigente geração dos “Millennials”, não apenas pela experiência que proporciona no copo, mas também no olhar. É que este vinho apresenta uma imagem revivalista, que combina o minimalismo moderno com a festiva época dos anos 20 do século passado. Propositadamente, o rótulo é discreto para que os sedutores tons rosados possam destacar-se na prateleira – e na mesa.

Este é um ponto importante, já que este vinho, em profundo respeito pelo perfil da marca, apresenta um forte e orgulhoso perfil gastronómico, acompanhando na perfeição pratos como sushi, ostras gratinadas, paella ou caril de gambas. Apesar de descontraído e informal na mesa, não esconde o seu perfil sério e estruturado, capaz de prolongar a prova no tempo. Estas são algumas das características da própria casta Pinot Noir, aqui potenciada pelo estágio de 6 meses em barricas de carvalho francês (33%), barricas novas (33%) e cubas de inox (33%).

O Quanta Terra Phenomena Pinot Noir Rosé 2020 já se encontra à venda, com um preço recomendando de 25,00€.