O ano de 2021 será de novidades várias para a Quinta do Pôpa. Comecemos pelo capítulo ‘Adega’ e com a contratação do enólogo Carlos Raposo para o cargo de Head Winemaker, que fará dupla com Stéphane Ferreira, neto do Pôpa e co-proprietário da quinta em questão. Uma escolha que vem ao encontro de uma reforçada aposta da Quinta do Pôpa numa política de sustentabilidade.

O enólogo Carlos Raposo é, desde muito jovem, mais do que um amante, um parceiro da mãe natureza. Uma ligação que ditou que, cedo, soubesse que o seu caminho passaria pela agricultura. O seu caráter ambicioso levou-o ao estrangeiro para obter a licenciatura em Viticultura pela Universidade da Borgonha e o mestrado em enologia pela Universidade de Bordéus. Enquanto estudava, trabalhou em várias adegas pelo mundo. Em 2011, Carlos regressou à sua terra natal e foi em Portugal que acabou por conhecer um dos seus grandes mentores, Dirk Niepoort, com quem trabalhou durante sete anos. Em 2018 estreou-se como produtor em nome próprio, tendo apelidado o seu projeto pessoal de ‘Vinhos Imperfeitos’, ao mesmo tempo que se lançou como consultor vínico, sempre em projetos com estreita relação com a sua natureza. O seu maior sonho é criar vinhos autênticos e únicos, que reflitam, acima de tudo, o terroir de origem, da forma mais pura e natural possível.

Pressupostos que levaram Carlos Raposo a aceitar o desafio da Quinta do Pôpa, onde vai exercer funções de Head Winemaker, dando continuidade ao trabalho desenvolvido pela equipa de viticultura, liderada por Rui Soares, e com o co-proprietário deste projeto, Stéphane Ferreira, desde sempre uma voz ativa e interveniente na criação dos vinhos de homenagem nascidos na Quinta do Pôpa.

“Exposta a missão atual e futura da Quinta do Pôpa, a contratação do enólogo-consultor Carlos Raposo foi o encaixe perfeito de mindsets. Vejamos, o vinho tem a capacidade de saciar os nossos sentidos em relação a um lugar que vai para além de uma região. E, tendo a Quinta do Pôpa vinhas que produzem uvas com esta habilidade mágica e consistente, de vindima a vindima, então é imperativo garantir que na adega essa proteção da expressividade única do lugar seja feita invocando novamente aquele que apelidamos de true sense of Pôpa place.”, afirma Vanessa Ferreira, co-proprietária e responsável de marketing e comunicação da Quinta do Pôpa.