Este rosé nasce de vinhas velhas plantadas na zona da Charneca da Alorna, por onde o Rio Tejo já passou e deixou a sua marca sob forma de calhau rolado e as uvas foram vindimadas manualmente.

O respeito pela história e pelo legado pelo Tejo está representado na garrafa do ‘Quinta da Alorna Reserva das Pedras Rosé’, com a ilustração do calhau rolado, assim como nos outros dois vinhos da família ‘Reserva das Pedras’ – Fernão Pires e Castelão. Este rosé junta-se também à família dos vinhos rosados da Alorna, sendo o terceiro rosé do portfólio da marca que está a assinalar 300 anos.

“A casta trincadeira é uma das castas mais frágeis, pelo que optámos por uma vindima manual, em caixas de 18kg. Posteriormente, e de forma a potenciar o melhor desta casta, após a fermentação, 20% do vinho estagiou em barricas de carvalho francês usadas durante 9 meses. Assim, conseguimos apresentar um novo vinho de qualidade exímia, sempre com o ‘carimbo’ da Alorna desde a colheita ao engarrafamento”, afirma Martta Reis Simões, Diretora de Enologia da Quinta da Alorna.

VINIFICAÇÃO

Os vinhos Reserva das Pedras nascem de vinhas velhas plantadas na zona da Charneca. Um dos três terroirs característicos da Região do Tejo, é um solo arenoso, de textura leve e granulosa, composto em grande parte por areia (70%) e argila (15%), muito pobre e que não retém a humidade.


"Com a missão de respeitar a nossa história, conservamos estas icónicas vinhas plantadas num solo pelo qual o Rio Tejo já passou deixando a sua marca sob forma de calhau rolado, dando origem a estes vinhos de perfil elegante e fresco que expressam vincadamente a harmonia natural entre o solo, o clima e as plantas. Para que decidamos com precisão a data de colheita, valorizamos o controlo de maturação com recolha de amostras frequentes. Avaliamos e cruzamos diversos parâmetros para além dos essenciais com o objetivo de certificar a qualidade superior destes vinhos", sublinha a enóloga Martta Reis Simões

Dados Técnicos

Vindima manual em caixas de 18 kg, seleção das uvas em mesa de escolha diretas à prensa, prensagem suave e rápida para evitar a oxidação do mosto e excesso de componentes vegetais. Clarificação estática durante dois dias com as borras em suspensão. Fermentação a 14oC. Após fermentação, 20% do vinho estagiou em barricas de carvalho francês usadas durante 9 meses,, após o lote foi estabilizado e filtrado.

TEOR ALCOÓLICO: 12.5% Vol. - ACIDEZ TOTAL: 5,8 g/l - pH: 3,42 |