Chegou a época das vindimas, e com elas uma energia única que reflete este momento tão importante para os produtores de vinho, num país como Portugal onde o vinho tem um papel de relevo, quer económico quer social. A oportunidade de viver este momento ao lado de um produtor como Torre de Palma vai além do processo em si, de apanha, escolha e pisa das uvas de uma vindima tradicional. Este projeto premium no Alentejo aposta em experiências autênticas, que honram séculos de História e de Vinho, a essência de Torre de Palma.

As tradições vínicas nesta região remontam há mais de 2000 anos, acompanhadas pelo culto do azeite, do cavalo puro-sangue lusitano e das artes, levando a que o processo de recuperação e cimentação da propriedade enquanto produtor vínico apostasse numa perspetiva integrada do enoturismo, enquanto se respeita as raízes e o modo de vida que caracterizaram Torre de Palma durante séculos. Assim, neste genuíno terroir alentejano, comemora-se o vinho como no tempo dos romanos: o começo das vindimas, que este ano se dá a 23 de agosto, celebra-se com “vinalia rustica” e termina com a “meditrinalia”, com a consagração do mosto no fim de setembro.

Para desfrutar do espírito das vindimas e saborear o Alentejo, Torre de Palma organizou um programa dedicado ao espírito das vindimas, repleto de experiências a recordar e, muito provavelmente, a repetir: passar um dia na vinha, desfrutar do restaurante Palma, ficar alojado e aproveitar as várias comodidades deste design hotel, vivenciando assim a verdadeira essência alentejana com uma experiência totalmente integrada e que aborda as várias vertentes que caracterizam a região.

O programa de duas noites inicia-se com as boas-vindas seguidas de um jantar com bebidas especialmente selecionadas no Restaurante Palma, coordenado pelo premiado chef Miguel Laffan. No dia seguinte, depois de um pequeno-almoço com produtos regionais cuidadosamente selecionados para preparar a introdução às vindimas, e com entrega de “kit” para a ocasião, visitam-se as vinhas, onde se conhecem as diferentes castas cultivadas, neste caso exclusivamente portuguesas para honrar a tradição local secular. Procede-se à a colheita manual das uvas, seguida da seleção das melhores uvas na mesa de escolha, à porta da adega. Chega, então, a recompensa do árduo esforço com a visita à adega, de arquitetura de João Mendes Ribeiro, com provas de mostos ou prova de vinhos Torre de Palma. Conta-se também com tempo livre para desfrutar de outras atividades que o Torre Palma Wine Hotel e a região oferecem, e que permitem sentir a genuína essência alentejana em primeira mão. É, ainda, oferecida uma garrafa de vinho Torre de Palma Tinto Basilii como recordação desta experiência.

Em alternativa, é também possível disfrutar de um dia nas vindimas, sem estadia, com um programa mais resumido que contam com as mesmas atividades na vinha, no processo de seleção das uvas e a visita à adega com prova de mostos ou prova de vinhos Torre de Palma, seguido de almoço no restaurante Palma e igualmente com a oferta de uma garrafa de vinho Torre de Palma Tinto Basilii.

Com 7 hectares de vinha e processos exclusivamente manuais, toda a produção vínica está integrada no Plano de Sustentabilidade dos Vinhos do Alentejo e é feita in loco na Herdade de Torre de Palma, desde a colheita ao engarrafamento. O enólogo Duarte de Deus, que acompanha todo o processo, vai partilhando e orientando quem participa nesta experiência única: “As vindimas são uma fase muito importante no processo de produção do vinho, que pode ser crítico para o resultado final que obtemos. É nesta altura, onde o tempo passa devagar e em boa companhia, que se inicia o processo fundamental de respeito pelas particularidades de cada uva, cacho e videira, que permite criar e manter a identidade de cada vinho que aqui nasce, explica o enólogo.

“A nossa vindima proporciona uma experiência diferente, pela imersão nesta região e na envolvente histórica do Torre de Palma, que é única no país. Queremos que quem nos visita tenha este contacto direto com a nossa cultura, terra e tradições, e que experienciem verdadeiramente esta etapa tão importante para o produtor vínico”, partilha Luísa Rebelo, proprietária de Torre de Palma